domingo, 9 de novembro de 2014

Pra ti, L...

Pra ti, L...
Você sabe (e sempre soube) que pode contar comigo... e tudo que você tem vivido tem me feito pensar...
Andei selecionando jeitos e jeitos de se tratar as coisas e consegui te enxergar perfeitamente em todas as suas decisões...
Amiga, eu já fui maluca... e, uma coisa que você precisa saber é que ninguém é maluca por acaso! rsssssssss
Mas precisa saber também que ninguém no mundo tem que pagar pela sua maluquice, a não ser você mesma enquanto decidir "ser maluca"... E, às vezes, ser maluca é o que nos faz mais humanas e cheias de sentimentos... Acredite: sinto falta disso... na medida menos maluca possível... rssssssss
Existem pessoas de todos as formas que se pode imaginar. Pessoas que são tão parecidas com você que são capazes de te ler no primeiro momento porque se veem em ti... Essas, emotivas demais, que entendem o amor como algo pleno e completo, tanto, tanto, tanto, capaz de achar que a comparação com um quebra-cabeça seria, talvez, a mais perfeita... afinal de contas, duas pessoas que querem se dividir uma com a outra, em tudo, o que seria além de amor? Vocês (e eu quando era maluca) enxergam até o coração como algo dividido... Um só pode ser feliz com o outro... Dois juntos se completam perfeitamente porque são incompletos sozinhos...
Eu sei o que é isso, L! E você sabe disso!!!
O problema de ser assim é um só: Você se sente de alguém. E o outro é seu também.
Aí a morte é certa! O drama é certo! O sofrimento é o fim!!!
Nesse caso, das duas uma: ou você procura alguém tão maluco como você (eu tentei... até os dois sugarem toda a energia que poderiam ter... a intensidade é tão gigantesca que a explosão é inevitável! Ninguém sai vivo... tudo é só destroço) ou aprende a conviver com o que é diferente...
L, você não tem paz porque não é capaz de conviver com a ausência e com as decisões individuais do C. Por mais que ele diga que te ama, o fato dele escolher algumas coisas que você não pode controlar, ou ir, te faz sentir excluída... Ou quando a decisão é dele, e você acha que ele foi omisso ou "submisso", e não acatou a sua opinião... Mais uma vez, acredite, eu te entendo! Já me senti assim. Muitas vezes! E injustamente. Assim como eu hoje acho que você se sente.
Você planejou outras coisas pra vocês e acha que são coisas óbvias demais. As pequenas atitudes do dia a dia e as grandes decisões que envolvem vocês dois... Eu também acho tudo óbvio, mas sabe porque? Por que a gente pensa muito igual... a gente sente muito igual... e entende os homens de um jeito... sei lá... (parece que a gente idealizou alguma coisa e colocou na forminha)... Só que pra ele, não é nada óbvio!!! Tem que falar!!! Embora eu saiba o quanto parece ridículo falar coisas óbvias, às vezes...
O C. não é um cara emotivo, romântico, nem grudento, que tem vida própria e, pior (ou melhor), anterior a você... Não dá pra competir com tudo isso... Se você resolver competir, é claro.
Aí, tudo que gira em torno dele vai ser maior do que você!!! Trabalho, amigos, filho, ex, e as ex"qualquer coisa"... Não permita que nada disso te sufoque!!! Até porque ele não tá trocando o espaço que ele abriu pra você, por todas essas outras "coisas"...
Eu não sei bem como você pode lutar contra você mesma - E a luta é contra você, não contra ele!!!
Eu poderia falar de mim, mas eu tive que pensar muitas coisas e abrir mão de outras tantas, e desistir de outras mais... e eu não sei exatamente de quais daria certo pra você...
Mas algumas devem ser básicas:
1) Sem cobrança.
2) Diminua sua expectativa em relação a ele.
3) Bloqueie qualquer pessoa do vínculo dele que você sabe que vai te machucar se você ficar fuçando no que não deve... e, nós duas sabemos o que o facebook significa pra você! rssssss
4) Abra mão de tudo que você suportar sem abrir mão dele nem dos momentos que vocês separaram pra vocês. Mas veja se você consegue fazer isso sem mágoa. Porque não adianta nada se você se magoar...
5) Tenha momentos só seus para as suas coisas. Ame estar com você e com os seus amigos! Saia! (pode me ligar que eu vou! rsssss) Leia! Vá ouvir música e ao cinema... Academia... Aula de música... sei lá! Qualquer coisa que você goste!
6) Separe aquilo que diz respeito a você e aquilo que não diz respeito a você.

E tente ser feliz, amiga!

Eu não posso te julgar em nada... tive que aprender a duras penas... e ainda não sinto que cheguei nem na metade do caminho... até agora tem valido a pena. Por nós dois. Por mim, que me sinto mais livre da minha própria escravidão...
Tem coisas que eu sinto uma falta monstruosa... quer ver? sinto falta de escrever todos os sentimentos que me estrangulam de paixão, de alegrias, de vida, pra ele... mas não consigo mais... por um motivo muito simples: preciso de "confetes" (como ele diz) e, não os tenho. Às vezes sai uma frasezinha, uma fotinho com mensagem... mas não tem jeito, não aprendi a não criar expecvtativas quanto a isso, e acabo me chateando toda vez... Minhas palavras eu engulo. Cuspo em papeis quando não dá mais... mas às vezes elas saem rancorosas por causa disso. Facebook e fotos, é assunto encerrado! Não ligo! É isso que tenho repetido pra mim mesma e que é tão diferente do que era a Adriana de antes: "Não ligo! Nada disso tem importância!" Diminuí, L, o nível de importância das coisas na medida em que entendi que para ele outras coisas eram importantes...
Eu sei, você vai dizer que Fotos e Palavras eram minha vida... eram mesmo... perdia (ganhava) um tempo precioso nisso... mas sabe? cada pessoa é um mistério e um poço de vivência... cada um carrega suas coisas e cada coisa que carrega tem um quê de importância. O que tiver a ver só comigo, ainda é meu! Minhas fotos e minhas palavras continuam onde eu quiser que elas estejam... Pena só uma coisa: Amor se confundir com a pessoa... porque falar de um acaba entrando muito no falar no outro... e é aí que eu engulo o sentimento que não dá mais para simplesmente "dar"... talvez eu ainda espere demais de volta... e isso dói... sempre doeu...
Enfim, amiga, como eu te disse, ainda estou num caminho longoooo que eu espero, sinceramente, que você entenda e escolha trilhar também...
Analise! Pense! Classifique! Talvez valha a pena viver esse "amor"... ao menos pra você aprender a ver a vida sob outro ângulo...
Te amo!
E estou aqui... sempre... pro que você precisar...

Adriana.


Um comentário:

  1. Gostei do Blog. Aline fala sobre a libertação das mulheres - http://t.co/Avko5uxOhv

    ResponderExcluir